Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Real Assessoria Empresarial de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei Nº 13.709 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).
Política de Privacidade
Fone: (18) 3641-1868
escritorioreal@escritoriorealbirigui.com.br

Após ano desafiador, perspectivas são favoráveis para o varejo

O varejo enfrentou um 2023 turbulento. Apesar do início promissor, em especial quanto à receita nominal, os varejistas gradualmente testemunharam uma desaceleração no consumo, resultando em taxas modestas no fim do ano. 

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor registrou aumentos de apenas 1,7% no volume e de 4,1%na receita nominal, ao passo que, considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a receita real foi negativa. Por outro lado, o varejo ampliado, que engloba automóveis e construção, apresentou números ligeiramente melhores, com altas de 2,4%, no volume, e 5,3%, na receita nominal. 

Ainda que os números divulgados refletem uma situação negativa, principalmente no fim do ano, há indícios de que o setor possa experimentar melhorias já no início deste ano. As perspectivas, anteriormente sombrias graças à desaceleração observada no fim de 2023, começam a apresentar bons sinais. 

Uma das principais razões para o otimismo é a queda na taxa de juros, prevista para causar grande impacto. De acordo com a teoria econômica, os efeitos da política monetária geralmente começam a ser percebidos entre seis e nove meses após as implementações. 

Diante do ciclo de redução da Selic em andamento, e das projeções indicando mais cortes, espera-se que os juros caiam para algo entre 9% e 9,5% até o fim do ciclo, impulsionando o consumo e fornecendo um ambiente favorável para o varejo. 

Outra boa notícia é a contínua melhoria do mercado de trabalho. Em 2023, a taxa média de desemprego no Brasil foi de 7,8%, a menor desde 2014, com tendência positiva evidenciada pelo índice de 7,4% no trimestre encerrado em dezembro. 

Além disso, o número de pessoas ocupadas alcançou recorde histórico, chegando a 100,7 milhões, enquanto a renda média real e a massa de rendimento registraram aumentos significativos em relação ao ano anterior.

Esses ventos animadores já se refletem na queda da inadimplência, impulsionada pelo Desenrola, programa do governo destinado a auxiliar devedores. Dados do Banco Central (Bacen) indicam uma redução na inadimplência bancária, o que deve liberar mais recursos para novos consumos. 

Além disso, o cenário externo também ajuda, com o Federal Reserve (FED) já reduzindo as taxas de juros no primeiro semestre e a China mantendo um crescimento estável o suficiente para sustentar a renda de commodities sem pressionar os preços. O Brasil continua se mostrando um destino institucionalmente estável para investimentos estrangeiros, destacando-se de forma positiva em comparação a muitos dos seus concorrentes.

Diante desse cenário, embora não se preveja um crescimento expressivo, o varejo pode esperar altas sem grandes surpresas em 2024. Os empresários do Comércio, enfim, podem vislumbrar um ano melhor do que o inicialmente esperado.

 

Fonte: Contábeis

INFORMAÇÕES ONLINE

Essas informações ajudam os nossos clientes a se manterem atualizados e bem informados à respeito das atualizações da legislação vigente, pagamento de impostos e obrigações diversas, e ainda trazem orientações sobre gestão empresarial.


COTAÇÕES E ÍNDICES

Moedas - 27/02/2024 18:30:00
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,934
  • 4,934
  • Paralelo
  • 4,950
  • 5,470
  • Turismo
  • 4,810
  • 5,110
  • Euro
  • 5,346
  • 5,354
  • Iene
  • 0,033
  • 0,033
  • Franco
  • 5,604
  • 5,612
  • Libra
  • 6,256
  • 6,259
  • Ouro
  • 327,820
  • 327,820
Mensal - 15/02/2024
  • Índices
  • dez/23
  • jan/24
  • Inpc/Ibge
  • 0,55
  • 0,55
  • Ipc/Fipe
  • 0,38
  • 0,46
  • Ipc/Fgv
  • 0,29
  • 0,61
  • Igp-m/Fgv
  • 0,74
  • 0,07
  • Igp-di/Fgv
  • 0,64
  • -0,27
  • Selic
  • 0,89
  • 0,97
  • Poupança
  • 0,57
  • 0,58
  • TJLP
  • 0,54
  • 0,55
  • TR
  • 0,07
  • 0,09

AGENDA TRIBUTÁRIA

  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep.



   ÁREA RESTRITA

Travessa Sabauna, 119 | Centro - Birigui - SP | Fone: 18 3641-1868
Fax: 18 3641-9502 | escritorioreal@escritoriorealbirigui.com.br